20 de março de 2020

Coaching em tempos de crise

Por Ellen Kocher, ACC
7 de março de 2020
Tradução: Isabella Brancher, ACC; Revisão: Mauro Moraes e Liane Lanzoni

 

À medida que o novo coronavírus (COVID-19) se espalha pelo mundo, o mesmo ocorre com ansiedade, confusão e negatividade. Trabalhando como Coach de Saúde na Suíça, onde medidas drásticas foram impostas a indivíduos e empresas, fez com que eu refletisse e pensasse no coaching nesse período de “negócios não usuais”.

Os medos e a negatividade que estamos enfrentando decorrem do pouco que sabemos sobre o COVID-19. Como coaches, é nosso papel abraçar o que sabemos e ter como objetivo mudar a mentalidade negativa, estabelecendo um ambiente seguro e favorável que crie respeito e confiança mútuos, continuamente. Juntos, coletivamente, precisamos repensar, renovar e reconectar. Aqui está como!

 

Repense!

A crise faz todo mundo repensar e se comportar de maneira mais consciente. Estamos lavando mais as mãos e comendo saudavelmente, enquanto evitamos multidões e apertos de mão. Eu gosto de chamar esse comportamento mais consciente de “modo PARE”: pare, respire, observe e prossiga. Considero esse o comportamento ideal para abordar o desconhecido. Podemos tirar proveito da mentalidade atual para:

  • Estar aqui no presente, reconhecendo que muitos de nossos pensamentos negativos não são nossa realidade atual, pois muitos de nós somos saudáveis, nossos entes queridos estão bem e a vida é boa.
  • Ser grato pelas coisas que estão indo bem na vida agora e concentrar-se no presente – um antídoto poderoso contra preocupações com o futuro.
  • Reconhecer o medo, a ansiedade e a preocupação que nós e nossos clientes podemos estar experimentando, o que pode nos ajudar a não ficar muito tempo no espaço emocional negativo.
  • Perguntar a nós mesmos que precauções podemos tomar para administrar o mal-estar e fazer as coisas parecerem menos opressoras.
  • Verificar o nosso bem-estar físico.
  • Antecipar quais aspectos de nossas atividades de coaching podem ser afetados pelo efeito cascata do Coronavírus (por exemplo, cancelamentos, paralisações ou negatividade).
  • Pensar no que está se passando na mente de nossos clientes e como melhor atendê-los agora. Uma empresa para a qual trabalho, acaba de fechar as instalações para pessoas de fora. Juntos, tivemos que repensar em executar nosso programa remotamente.
  • Entender o que está acontecendo em nosso setor específico e talvez repensar nossas ofertas
  • Determinar como nosso nicho de trabalho de coaching pode agregar valor durante e após a crise.
  • Reservar um tempo para procurar novas oportunidades nas quais talvez não tivéssemos tido tempo para pensar antes.
  • Avaliar como estamos preparados para formas alternativas de trabalho, considerando software, hardware, treinamento e ferramentas.
 

Renove!

Como coaches, vemos muitas maneiras de trabalhar com o cliente e escolher qual é a mais eficaz. Muitos planos de contingência exigem trabalho remoto. A situação pode até acelerar o desenvolvimento de uma infraestrutura de tecnologia capaz de suportar tipos alternativos de trabalho. Após repensar, podemos ser inspirados a renovar:

  • Continuando com um propósito, realinhando nossos valores com nosso trabalho.
  • Desfrutando nosso tempo livre e equilibrando nossas vidas.
  • Aproveitando a oportunidade de adquirir e treinar o uso de novos softwares ou outros recursos, a fim de manter a produtividade, renovar e crescer.
  • Alavancando as plataformas de e-mail, mensagens instantâneas e mídias sociais para um uso melhor e mais consistente.
  • Garantindo uma separação adequada do trabalho e da vida pessoal, criando um espaço de trabalho designado para este fim, caso o trabalho remoto seja uma nova solução.
  • Usando o tempo extra ganho com cancelamentos ou adiamentos para renovar sites, estratégia de marketing, boletins ou postagens no blog.
 

Reconecte!

Mantenha-se conectado com seus clientes e outras pessoas, fazendo ajustes como assegurados pelo processo de coaching e as mudanças na situação. Essa situação incomum nos dá uma maravilhosa oportunidade de:

  • Manter conexões significativas para cultivar relacionamentos vivos e atitudes positivas.
  • Buscar força nos entes queridos para ajudar a todos nós a permanecermos fortes e otimistas.
  • Conectar-se com os clientes por telefone ou e-mail para comunicar-lhes claramente sobre nossa renovação e agilidade diante da situação incomum. Pessoalmente, eu me antecipei espontaneamente e propus que todas as minhas reuniões presenciais fossem realizadas virtualmente.
  • Convidar os clientes a compartilhar ideias sobre como eles antecipam suas necessidades atuais ou futuras
  • Usar a mídia social para informar sobre aspectos específicos e mais positivos da situação atual que podem ajudar a tranquilizar os clientes.
  • Criar grupos privados para incentivar os clientes a fazer perguntas ou compartilhar preocupações.
 

E agora?

Nós não estamos nisso sozinhos! Estamos lidando com isso como indivíduos, como coaches, como comunidades e como um planeta. Buscando forças um no outro, reconhecendo nossas emoções e demostrando agilidade através da renovação pode nos ajudar e ajudar nossas práticas de coaching a florescer e prosperar! Não sabemos quanto tempo a ansiedade, a confusão e a negatividade durarão até que os negócios e as atividades diárias voltem ao “normal”, mas podemos aproveitar essa oportunidade para crescer, ser forte e se sentir melhor agora.

Quando nos sentimos bem, resilientes e saudáveis, somos todos capazes de melhor lidar com o que está acontecendo ao nosso redor. Quem sabe que inovação original isso poderá trazer para o coaching e para nós?

Vamos compartilhar nossos pensamentos e não se esqueça de entrar no “modo PARE” (pare, respire, observe e prossiga).

 

Ellen Kocher, ACC

Ellen é uma economista e consultora credenciada, especializada em ambiente de trabalho e bem-estar, com mestrado em coaching de saúde e bem-estar. Educada nos EUA e morando na Suíça há mais de 30 anos, Ellen atuou uma década no setor financeiro e entende os desafios de um estilo de vida ocupado. Ela dedicou os últimos 15 anos à nutrição e ao bem-estar no local de trabalho, promovendo uma abordagem de alimentação isenta de dieta, neutra em peso e baseada em atenção plena a atividade física, saúde holística e autocuidado. Ela foi coach de centenas de indivíduos e grupos em dezenas de organizações com o objetivo de fazer mudanças sustentáveis ​​no estilo de vida. Ela também é colíder voluntária da Comunidade de Prática de Coaching em Saúde e Bem-Estar da ICF. Saiba mais sobre Ellen aqui.

 

As visões e opiniões expressas nas postagens dos visitantes apresentadas neste blog são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões e opiniões da International Coach Federation (ICF). A publicação de uma postagem de convidado no blog da ICF não equivale a um endosso ou garantia da ICF dos produtos ou serviços fornecidos pelo autor.