7 de outubro de 2020

A Arte da Escuta

Publicado por Krasimir Kashinov, MBA, PMP, ACC | 22 de Julho de 2019 no Blog da International Coaching Federation

Traduzido por Wilson Gambirazi, ACC – Revisado por Lucilene Tofoli, PCC.

Há muitos recursos para falar em público, e há dicas práticas sobre como se tornar um orador melhor. Mas, como você se torna um ouvinte melhor, e por que você quer ser um?

Hábito 5 no livro, Os Sete Hábitos de Pessoas Altamente Eficazes, de Stephen Covey, afirma: “Procure primeiro entender, depois ser compreendido”, ou ouvir primeiro, depois falar. Covey explica que as pessoas muitas vezes não escutam em uma conversa; em vez disso, elas se apressam para falar e dar conselhos ou opinião. A razão é que relacionamos as informações que ouvimos com nossas próprias experiências, e não fazemos um esforço deliberado para entender o outro lado.

No entanto, a escuta ativa e a compreensão são as chaves para uma comunicação eficaz nos negócios e na vida. No livro, Coaching Co-Ativo, Henry e Karen Kimsey-House explicam os três níveis de escuta e como a arte da escuta pode ser cultivada.

Nível 1

A escuta nível 1 é uma interação onde o foco principal do ouvinte está em seus próprios pensamentos, opiniões, julgamentos e sentimentos. As pessoas relacionam as palavras que ouvem com suas experiências ou necessidades. Esse tipo de escuta é bastante apropriado quando estamos diante de uma decisão ou quando devemos coletar informações. Se estamos comprando um carro, por exemplo, estaremos ouvindo o vendedor no Nível 1 para ver como os recursos do carro vão atender às nossas necessidades e orçamento.

Nível 2

A escuta nível 2 leva a comunicação muito à frente. A atenção total do ouvinte está inteiramente no orador. e na conversa. Isso significa não apenas ouvir o que está sendo dito, mas também perceber como é dito. Envolve prestar atenção ao tom de voz, linguagem corporal e expressões faciais. Esse nível é o conceito de escuta empática explicado por Covey, incluindo parafrasear e refletir sobre as palavras do orador.

O ouvinte pode filtrar suas conversas internas e qualquer distração do ambiente. Como resultado, o ouvinte pode sintonizar no significado das palavras, escolher uma maneira de responder e avaliar o efeito da resposta no orador. A escuta nível 2 é uma habilidade que os coaches profissionais usam em sua comunicação, mas Henry e Karen Kimsey-House levam isso ainda mais longe.

Nível 3

A escuta nível 3 traz um estado de consciência inteiramente novo para a conversa. Envolve fazer tudo no Nível 2, além de usar a intuição e estar aberto a receber mais informações em qualquer forma que se apresente. Isso significa sintonizar não só a conversa, mas também o ambiente.

O uso da intuição pode ser mal interpretado porque não se baseia em fatos concretos. O conceito de intuição é, de fato, simples e pode ser um excelente ativo de comunicação. Se você tiver um palpite, por exemplo, ao ouvir seu parceiro de conversação, considere trazê-lo à tona, mas não se apegue a ele. Sem insistir em estar certo, observe o efeito que tem no orador e esteja ciente de onde a conversa vai a seguir. Por exemplo, você pode dizer: “Eu entendo que você está feliz com os resultados, mas eu tenho a sensação de que você tem algo mais em mente.” A resposta pode ser, “Não, não realmente”, ou “Sim, na verdade, eu queria te contar sobre essa questão que surgiu com o nosso projeto.” É irrelevante se você está certo ou errado; o que é importante é o efeito sobre a conversa.

A arte da escuta leva tempo para se desenvolver, mas pode ser praticada diariamente. É especialmente útil na negociação ou convencimento dos outros. Constrói confiança e compreensão. É importante notar que entendimento não é o mesmo que concordância; você pode não compartilhar a mesma opinião da outra pessoa, mas você compreende a maneira como ela pensa. Um dos benefícios de ser um bom ouvinte é a informação e o tempo extra adquiridos para criar uma resposta útil, eficaz e que estimulará a conversa.

As visões e opiniões expressas nas postagens dos visitantes apresentadas neste blog são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente as opiniões e visões da International Coach Federation (ICF). A publicação de uma postagem de convidado no blog da ICF não equivale a um endosso ou garantia da ICF dos produtos ou serviços fornecidos pelo autor.